Por Frederica Montseny

I –
Por ocasião da criação, em Madrid, de um clube para mulheres, o sempre justo Andrenio publicou há poucos dias, um artigo em La Voz, falando de mudança dos costumes, melhor, a evolução dos costumes, que permitiram um núcleo de mulheres espanholas educadas fundar um Liceu feminino sem o perigo de servir como protagonistas de sainetes (iscas para amansar falcões) e de piadas, mais estúpidas do que engraçadas.

O fato de que Andrenio visitaram o clube na empresa e, a convite de Victoria Kent, uma jovem advogada madrilenha, parece demostrar que não é um “só para mulheres” como extensão feminina e voluntária dos gineceus transferidos a vida coletiva e da sociedade.

Mas o objeto do Liceu ainda está ajustado ao ranço moral espanhol. É uma seção feminina, responde ao mesmo espírito que separa os sexos nas igrejas e que tentaram separá-los nos teatros, cinemas e quase, quase, nas ruas. O Clube foi criado para as senhoras terem uma espaço social seu, um ponto de encontro discreto e a salvo do zelos dos maridos, dos medos do pai e a sua susceptibilidade própria e interessada em manter as aparências. Eu não sei se nos seus estatutos há uma proibição de entradas masculinas neste lar social. Creio que não. Mas, é claro, a mera criação deste clube feminino, genuinamente espanhol, mostra que seria errado para ridicularizar os clássicos que mantêm a boa tradição “bela, recatada e do lar”, que Andrenio falou.

A promiscuidade, a fraternidade, a franca camaradagem dos sexos, é algo que está fora das mentes das espanholas e longe da cabeça dos espanhóis. Talvez esta seja a causa da corrida, nosso sol, que aquece mais que o pálido sol argentino. Pergunte para uma jovem estudante, qualquer mulher que passou sua vida em comum com homens, sem ter ao lado uma clássica “espingarda”, se foi capaz de implementar uma camaradagem entre os sexos, e ela nos informará, feliz, irritada ou cética, de acordo com suas ideias e seu temperamento, das naturais imaturidades dos homens de raça hispânica.

Essas mulheres, em sua maioria mulheres cosmopolitas, viajadas e vividas pelo mundo, unidas para fundar o Liceu em Madri que me ocupa, talvez conheçam o terreno que estão pisando. Talvez não haja nelas a coragem nem a franqueza suficiente para fundar um clube unissex, um clube livre, um clube que proporcione um momento de expansão amigável, verdadeiro e belo de camaradagem entre os sexos, de homens e mulheres, camaradagem que é o único fator estabelece um conhecimento íntimo, que descobre os sexos uns aos outros em suas diferentes nuances superiores e insuspeitadas. Íntimos e morais; que os descobrirá nobremente, fora da brutal descoberta que uma moralidade selvagem e profundamente imoral impõe.

Porque os sexos ainda não descobriram um ao outro. O homem é o enigma da mulher e a mulher, o enigma do homem. Hoje é mais do que ontem. É para ser assim sempre? Tão diferente são as mulheres dos homens e vice versa, para que nunca possa obter a identificação completa, conhecimento absoluto, que sejam os segredos das duas esfinges a ser decifrado? Pelo contrário, a ciência nos mostra analogias, a mesma superposição dos sexos; quão difícil é estabelecer, fora do domínio externo, a diferenciação interna dos dois gêneros. Moral e praticamente, a identidade de capacidades também foi demonstrada, o que é igual aos dois sexos para o gozo de liberdades idênticas e direitos idênticos.

Não há enigma. Não existe, não pode haver enigma. E, no entanto, o enigma existe. Ele foi criado distintamente na época moderna, quando a mulher adquiriu sua personalidade própria. Nós não nos entendemos, talvez porque não podemos nos explicar, porque nenhum homem ou mulher houve a suprema franqueza e a suprema audácia de serem francos.

E o problema não é só espanhol. É universal. Até a França, a alegre França; a França que tem nome de mulher e sorriso feminino, a França, cujo cetros intelectuais, morais e políticos estiveram sempre sobre a intervenção das mãos femininas, a França também, no teatro, no romance, no livro discutem o estranho problema que é a mulher moderna para o homem.
Levam a literatura as diferentes manifestações da nova personalidade feminina. Advogadas e doutoras são alimentos das penas que bordam nas páginas, depois de ter enlouquecido seu gosto nas literatura feminina. Estes são os tipos ridiculizáveis e discutíveis para os homens. Mas da crítica e da voracidade literária tão pouco escapam as mulheres pobres que ganham suas vidas corajosamente, que conquistam seu próprio pão e o de seus filhos; outras uma liberdade muito restrita e dolorosa. Uma mulher que trabalha, estuda, cura, ensina ou escreve para os homens é complexa; logo é pouco feminina. Anatole France se ridicularizava com os dedos sujos de tinta das fadas literárias que não eram mais fadas, tornando-se “literatas”. Madame Arman de Caillavet, sua amiga requintada, publicou em segredo, sob um pseudônimo e com a ajuda de um amigo discreto e incondicional, um cândido volume, ação que resultava apenas porque o pobre fruto de sua engenhosidade era demasiado insignificante. Madame Arman de Caillavet foi a guia, a consultora literária de Anatole France. Mas isso só continuaria na condição de que ela permanecesse uma amante e uma musa. Os dedos róseos poderiam ficar manchados de tinta com os rascunhos de seu famoso amigo; escrever suas próprias obras, nunca!

Hoje Paris assiste, no teatro da Renascença, as representações de uma obra, La Vocacion, que é um tom novo, modernizado e parisianizado (sic), isto é, feita de forma mais amável, mais compassiva e mais humana, mas talvez profundamente mais cruel, dos contos e peças que a engenhosidade de Taboada ontem e de Fernández Flórez hoje, baseados nesse tema inesgotável da mulher chamada, desdenhada e com frequência injustamente “intelectual”. Uma “intelectual” ou um “intelectual” são, na realidade, seres perfeitamente ridículos, algumas vezes abomináveis. Uma ou um “intelectual” são entidades apressadas, que usam óculos defumados, não têm sexo e são carregadas de vaidade. Da inteligência, muitas vezes jejuam. Mas não é possível chamar de intelectuais os homens ou as mulheres de talento real, que adornam a raça humana com suas figuras e que servem à causa da Humanidade, colocam muitas vezes junto aos seres oprimidos seu prestigio e seu esforço.

Nem é possível chamar de intelectuais essas mulheres generosas e esforçadas, desbravadoras do caminho humano, onde levam à ciência, ao trabalho diário, as especulações filosóficas, ao trabalho de forja do ensino sua nota amável, sua atividade e instinto embelezador e materno, que só são ridicularizadas por seres de baixa condição moral, as figuras femininas merecem o título de benfeitoras, de heroínas, de mães do presente e do futuro.

E, no entanto, encontram no homem em geral, em todo ambiente masculino, uma animosidade inconsciente e secreta. E, quando não, uma atitude de expectativa e reserva, talvez uma incompreensão muito aumentada. Tornam-se novos enigmas, ou em um enigma renovado e ampliado. Para o homem, a mulher que cuida de seus filhos, que lhe costura as roupas, lhe lava a louça, lhe faz a cama; a outra mulher que lhe vende suas carícias; até mesmo a namoradeira que joga com seu coração, não são tão enigmas com esta mulher bastante franca que trabalha duro na vida, que se envolve em causas de bem-estar e progresso social, que conquista bravamente, muitas vezes de forma dolorosa, sua independência, o seu direito de dispor de si mesma.

Há poucos dias, uma advogada parisiense tentou cometer suicídio. Felizmente, sua covardia não foi coroada por um triste sucesso. No fundo desta tentativa de suicídio é percebido um pobre drama de amor; um episódio, que poderia ser trágico, daquele problema que adquire novos aspectos todos os dias. A advogada, ao conquistar sua independência econômica com sua carreira, perdeu o direito de ser feliz. Como ela, quantos outras!

Pouco corajosas para sobressaírem no ambiente, pouca ousadia para se livrarem da mancha escura, das influências burguesas, apressam-se para criar uma nova categoria de mulheres: as que colocarão o problema em seu aspecto mais angustiante e mais absurdo.

Eu intitulei este artigo «Mulher, problema do homem». Neste tópico eu pretendo desenvolver outros. Um estudo inteiro pode ser desenvolvido, um tratado completo de humanidades.

A mulher é hoje o problema do homem. É o próprio homem que faz disso um problema. O enigma, em vez de simplificado, torna-se complicado, torna-se mais hermético; indecifrável, talvez.

Até agora, a mulher era “o que o homem queria que ela fosse”. Hoje é, tem que ser, será mais a cada dia, o que ela quer ser. O que importa, a princípio, seu passo é hesitante, sua personalidade confusa, a vida livremente vivida por ela muitas vezes errônea, suas próprias idéias sobre si mesma erradas? Ele está aprendendo a andar sem caminhantes. Até agora, seus andadores, caminhantes forçados, contra os quais ela se rebelava como podia, tinham sido o homem.

Uma mulher faz o gosto masculino, forjada por ele, boneca nas mãos, imbuída das ideias que o homem inocula nela desde o berço, contido por uma religião e os costumes e homens morais criados por ele elástica e vulnerável, sem piedade e inflexível para a mulher, ela era apenas um enigma e um problema por causa de suas rebeliões impotentes, por muitas vezes suas terríveis vinganças, que ela tomava com as próprias mãos. Vinganças fracas, vinganças traidoras, mas legítimas. Há uma vingança mais humana e legítima para uma mulher jovem e bonita, casada com um velho decrépito, sujeita a ele, uma escrava a ele por uma lei e uma desumana moral, que o adultério, “a mais saborosa vingança”? A coqueteria, a hipocrisia, que elas tomaram para disfarçar o nome da feminilidade, são outras manifestações de sua rebelião. Mas a mulher era assim. Ou seja, uma gata voluptuosa, muitas vezes raivosa, que ronronava e pregava as unhas rosadas no coração. Assim é feminina. A feminilidade, já sabemos, foi chamada de paqueradora e hipócrita. A mulher mais paqueradora e hipócrita, mais feminina. As mulheres simples e corajosas e aquelas que possuíam um alívio pessoal, eram e são temperamentos viris.

Os homens à esquerda ainda usam um ditirambo hiperbólico, falando de uma mulher muito inteligente: “Ele tem um talento masculino”. Na literatura, uma mulher que tem estilo, vigor e originalidade, que não é brega, em uma palavra, “tem um estilo machista”. O estilo feminino é vulgar.

Lembro-me desses detalhes, insignificantes e que podemos verificar diariamente, que corroboram a existência deste grave problema, desse problema que a cada dia, a cada nova afirmação da personalidade feminina, se agrava. Do problema que é a mulher para o homem. O problema que devemos nos esforçar para resolver porque a sua solução depende de ser corrigida e evitar erros dolorosos, depende de como o futuro e para o desenvolvimento futuro de toda a espécie, que é composta de homens e mulheres, não homens e mulheres separados.

II-

Esse problema, que pretendo abordar, está na Espanha, pelo menos por enquanto, de difícil solução. Resolvido, no entanto, em suas linhas gerais, em sua exterioridade, não resolvido no fundo, espírito e essência da questão.

Por resolvido nós também o demos a nós, criando a palavra “amor livre”. Mas quem, até agora, pôs em prática o verdadeiro amor livre? O que sabemos até agora difere apenas em dispensar a consagração religiosa e legal. Mas, além disso, permanece o subordinado união de uma mulher para um homem, a união mais doloroso, mais coaccionadora de liberdade das mulheres, porque, sem aprovação social, as folhas, a fraqueza de sua desorientação e equívoco moral que ambas as morais o colocam, mais à mercê do macho. Ou seja, o esforço para libertar-se, quase sempre por amor, raramente, por convicção interior, o vínculo conjugal, as ofertas capricho macho medo e impotente com a família e animosidade social.

Sei que algumas mulheres pobres, para se casar em vez de ser unidos, eles já haviam deixado o marido – marido, amo e mestre e nada mais – que enganou a visão de uma palavra hoje mesmo ilusória. E não estão separados pelo que dirão, pelo doloroso orgulho de não dar motivos ao inimigo para cantar a vitória. E não vamos falar sobre esse outro amor livre que consiste em provar as mulheres, abandonando-as depois de dois meses com a insolência triunfante do sedutor. Não vamos falar também, a força é dizer, desse outro amor livre, praticado por não poucas mulheres, que em nada difere da prostituição.

Tema delicado e difícil é isso. Tema que requer longos debates e, claro, o passo progressivo da vida e o combate contínuo para alcançar a consolidação da personalidade feminina e a humanização, naturalização dos dois sexos.

O problema sexual só diz respeito aos seres humanos. É verdade que apenas entre eles gozam os benefícios de uma moral sinuosa, múltipla e variável. A moral dos outros animais, simples e únicos, exime-os de toda preocupação, deixa-os livres e independentes dentro da estrutura da natureza. Nós, seres superiores, vivemos fechado dentro das grossas paredes de uma série de frases vazias, conceitos vazios, que têm sido emissão poucos, para sua própria conveniência, eles precisavam ter um bloqueio na cadeia que nos une. Como nos separar dessa série de correntes, como escapar dessa superposição de caixões morais que nos mantém no fundo de um imenso sepulcro?

Será necessário voltar ao Dada inicial, para aplicar à vida humana o jogo caprichoso de palavras de um passatempo literário?

O problema, para o superficial, o domesticado e o simples, não existe. Para o primeiro, a vida humana e a palavra amor carecem de transcendência. Para estes últimos, os animais domésticos são perfeitamente regulados dentro das paredes de seu galinheiro, sob o olhar benevolente do juiz, do padre e da visão de mundo que ambos representam. Para os terceiros, eles vivem em uma meia inocência que lhes permite desenvolver sua vida, isto é: nascer, existir, procriar e morrer, mecanicamente.

O problema só surge para os inquietos e desajustados, para aqueles que vivem, em uma palavra. Para aqueles que, em outro mundo, para outro moral, contra qualquer moral, poetizariam, eles impulsionar e criar a vida maravilhosa, diverso e múltiplo de sentimento, sensibilidade e inteligência, vida intensa e cheia do insaciável sede e a fome sem fim .


No entanto, percebo que, abandonando a ideia central que me faz escrever esses artigos, estou envolvido em uma série de considerações que desviam a atenção do leitor do tema proposto.

A mulher, inquestionavelmente, é hoje um problema para o homem. Um problema múltiplo e diverso, em qualquer das suas fases e em todas as suas manifestações vitais. Não vamos falar agora sobre o problema diferente que o homem é para as mulheres.

Às vezes, as conversas e mulheres ouvidas observado, sugeriu-me um pensamento singular admirava profundamente que, num mundo em que a maioria das mulheres são tão estúpidos, tinha deixado relativamente, pelo menos, uma carga considerável de estupidez no funcionamento do Séculos
A mulher, por razões facilmente explicáveis, das quais o imperativo sexual é o principal, é, inconscientemente, o eixo do mundo. Sua influência no homem, desde a infância até a meia-idade, é considerável. Todos nós vimos homens formais, muito autoconfiantes, inteligentes e capazes, perdendo a paciência com o sorriso insinuante de uma mulher paqueradora. Todos sabemos que, no fundo da história de todos os povos, a mão feminina segurou uma rédea estranha e invisível. E isso, sendo um escravo; e isto, mantido na ignorância, besta de prazer ou incubadora de máquinas de crianças. E, como é natural, escravo, escravizou; brutalizado, brutalizou; enfraquecido por leis e morais, só pensou em enfraquecer seu tirano, que, enquanto uma mão acorrentou, com o outro cedeu a todos os seus caprichos e habilidades de gato fofinho.

Em países como a Espanha, onde a maioria das mulheres são semianalfabeta, onde muitos não sabem tudo, empregadas domésticas em casa, servas do pai, sacerdotisas de Deus “dizer” e da deusa “custo”, fechado para toda a inovação , sem outros horizontes além do casamento e da procriação de crianças para as quais não se recebe preparação, a quem nada pode ensinar, de quem apenas a mãe pode ser, adorada com um pouco de pena de sentimento protetor; mas, apesar de tudo, e acima de tudo, dominando e desequilibrando o homem com um sorriso, um olhar de virgem coquete ou travessa e hipócrita na Espanha, mais uma vez, admirar o progresso lá e não nos surpreendeu sequer ouvir, à noite, o passo lúgubre da Irmandade do Santo Ofício e que não vemos ainda apedrejar as mulheres adúlteras.

Porque nenhum homem é tão terrível e rigoroso quanto uma mulher. A este respeito, recordo que, por ocasião de um famoso adultério em Madrid – não me lembro exatamente dos nomes; Sei apenas que o nome dela era Maria de Lourdes, o marido surpreendeu flagrante, e que os covardes amante abandonada balas marido foram as mulheres as mais raiva mais furor, que celebrou a morte do pobre Amadora a absolvição do marido assassino.

Anos atrás isso. Lembro-me de que era adolescente, que ainda não tinha motivos para me preocupar com essas questões e ainda não havia pensado em julgar e observar. No entanto, fiquei exasperado ao ouvir os julgamentos das mulheres que falaram sobre o evento, que teve muito eco, por causa da condição social dos protagonistas do evento. Eu me desesperei em não entender sua fúria contra os infelizes mortos, cujo único crime era amar, e eu me desesperei mais, ouvindo a razão de dar ao marido, o dominador masculino, que matou a mulher porque era sua propriedade. Também me lembro da indignação que um coro de mulheres irritadas e rechonchudas produziu algumas palavras minhas, que julgaram insolentes e impróprias da minha idade. Não fiz mais que repetir uma frase de Jesus: “Aquele que está limpo do pecado, lance a primeira pedra”.

Mas como falar, como convencer uma mulher trancada dentro de si, levando-a atavismo de mil gerações, que nasceu com o número do disco emissor cérebro tornam-se de conceitos que, ao longo do tempo, ele foram carimbados ? Como lutar contra o espírito invisível de milhões de seres, contra aquela coisa impalpável e indefinível que eles chamam de ambiente?

Sinceramente admiro o homem que consegue, pouco a pouco, raciocinar, por meio de uma propaganda difícil e extraordinária, fazer de uma espanhola sua companheira. Eu o admiraria mais, se ele fosse capaz de ser digno de seu trabalho, se soubesse como continuar. Eu admiro aquele que consegue ser e continuar. Mas nessas conversas seculares, o amor é quase sempre o único autor. Vamos abençoá-lo, se a conversão foi algo mais do que uma miragem dos sentidos, se não foi apenas uma briga entre dois desejos.


O trabalho que precisa ser feito, o trabalho abandonado, com o qual poucas pessoas se preocupam e planejam a sociedade futura e quantas discutem problemas pós-revolucionários, é maior e mais difícil do que parece à primeira vista. Eu sorrio ler as reflexões de teóricos pensamentos, profundas dos filósofos conclusões transcendente de pensadores, e acho que tudo: teorias, pensamentos e conclusões, estatísticas e planos, sistemas filosóficos e declarações sociais, você pode apagar, destruir, Transforme-os em frases e meras utopias, um olhar feminino.

E ao lado desses planos, dessas estatísticas, dessas considerações e organizações de sociedades, vejo uma casa, uma mulher e crianças. Uma mulher ignorante, obtusa, fechada ao progresso; uma mulher que vai orar enquanto o homem está batendo; uma mulher que transmitirá aos filhos todos os seus preconceitos e superstições, sua fraqueza milenarista de não conhecer a Natureza e a Vida; sua temerosa mentalidade de selvagem, para a qual o relâmpago é um raio da ira de Deus e o trovão sua voz trovejante.

Uma mulher para quem não haverá grandes causas; que ele não sentirá o ardor e os entusiasmos ideais de seu parceiro na comédia da vida. Uma mulher que não se preocupará com a sociedade futura, para quem o futuro é reduzido para a manhã imediata, quando ela vai fazer compras e lavar a roupa. Uma mulher que será, no entanto, aquela que moldará os filhos do homem, aquele que, supremo de Deus, os fará à sua imagem e semelhança.
Serve de alguma coisa os planejamentos das sociedades futuras, estatísticas e cálculos, o mesmo sangue generoso em derramar por ele antes que a poderosa força de vida ao poder negativo, antes disso cadeia recuo fator terrível e incalculável nos une para ontem, que nos liga ao passado sombrio, que nos transmite a mentalidade do selvagem e do medo pueril de uma infância eterna?

Não, ele não serve de nada. Ao lado do pensador teórico, filósofo, revolucionário, para o qual a palavra mulher desaparece juntamente com a abstração homem ou humana, é necessário, é essencial, que vai um único e sutil Semeador, um professor em uma nova ciência , um ser talvez inencontrável e semidivino que recria e refaz, refaz, desperta, chama o coração distante e o cérebro fechado.

Em mim estas palavras surpreenderão um pouco. Ninguém defendeu mais as mulheres; ninguém sente com mais intensidade a solidariedade e o orgulho do sexo; ninguém acredita mais do que eu na personalidade feminina, que tem que ser todos os dias, que já é todo dia, mais firme, direta e clara. Mas estou ciente do estado moral do meu sexo, do grande, difícil e extraordinário trabalho que temos à nossa frente. Difícil e extraordinário, porque requer uma criação pessoal e íntima, autodidatamente, uma auto-vivificação feminina. Eu não acredito em Pigmalião criadores de mulheres ideais, frias e mecânicas androides, despojadas do sublime triunfo da paixão e suas loucuras sobre-humanas. É por isso que eu disse que um semeador singular e sutil é necessário, um professor em uma nova ciência, um ser talvez, que não se encontra e semidivino …

A tarefa é árdua e o trabalho lento. E devemos começar por convencer da necessidade disso. Eu já estou convencido. Convencido, porque conheço a influência do meu sexo, decisivo, fundamental e absoluto. Eu sei, e vou repetir ad nauseam, que todos os esforços vão falhar, impotente e inútil, se não for resolvido antes do transcendental, edição final, que é a mulher para o homem e homem e mulher para toda a vida.

Esses artigos, que continuarei, podem não ter a correlação necessária.

Escrevo-os a partir da caneta, sem um plano específico e expondo os pensamentos que tenho acumulado, através da observação contínua e direta. Talvez um dia, enriquecendo-os com novas observações, com uma nova riqueza de experiências e maiores considerações, refundá-los e uni-los, estendendo-os em extensão e essência.

A mulher, problema do homem
Tags:                 

Deixe uma resposta