Por Boston Anarchist Drinking Brigade

A pornografia continua a ser um assunto controverso, inclusive entre as pessoas anarquistas, onde se esperaria estarem entre as mais fortes apoiadoras da expressão sexual livre. No entanto, muitas pessoas anarquistas criticam a pornografia e algumas têm apoiado e ou participado do movimento antipornografia, cujas pessoas participantes não raro se esforçam para impedir as aquelas pessoas que desejam ver pornografia de fazê-lo. Algumas pessoas anarquistas no Canadá foram mesmo ao ponto de incendiar uma loja de vídeos eróticos, uma atividade que muitas outras pessoas anarquistas ignoram ou não escolhem criticar. Enquanto isso, aquelas pessoas de nós que defendem a pornografia e a liberdade de expressão, sexual ou de outra forma, são julgadas como sexistas reacionárias. Por que é que as pessoas amantes da liberdade e da libertação sexual parecem se esquecer de seus princípios quando se trata de literatura e imagens de sexo explícitas?

O movimento antipornografia, incluindo pessoas participantes e apoiadoras anarquistas, não é monolítica. Algumas não gostam dos livros sujos e filmes, mas respeitam a liberdade das pessoas para produzir e consumir tal material. Essas pessoas confiam na discussão e no protesto como uma tentativa de mudar as atitudes daquelas pessoas que gostam de pornografia, incentivando-as a abster de consumir materiais pornô, mas sem os meios da censura. Outras, ainda, incluindo algumas pessoas anarquistas, sentem que ataques físicos as lojas pornográficas ou que a censura imposta pelo governo são táticas aceitáveis na luta contra a pornografia. Enquanto apenas a última situação é censura, logo, portanto, não anarquista, a posição anterior, que é o desprezo com as representações de sexo também é problemática em um movimento que supostamente favorece a liberdade sexual.

A pornografia é simplesmente uma representação, em palavras ou imagens, de atividade sexual. A maioria das pessoas acha que um bom sexo, atividade prazerosa e vendo pornografia despertaria sexualmente muitas pessoas, para as pessoas anti-porno dizem frequentemente que as imagens de mulheres na pornografia são degradantes e ofensivas às mulheres. No entanto, enquanto algumas mulheres certamente se ofendem com imagens pornográficas, acham degradante, que outras mulheres desfrutem da pornografia. (Veja, por exemplo, o livro Caugth Loonking por Kate Ellis, ou, Writing Sado-Masochistic Pornography: A Woman’s Defence por Deborah Ryder) Enquanto o movimento antiporno vê as mulheres como uma classe, que partilham os mesmos objetivos e desejos, as mulheres não são uma massa de autômatos que todas pensam e sentem da mesma forma; algumas são pró-pornô e algumas são anti-pornografia, assim como qualquer ser. Além disso, as imagens de mulheres em pornô não mais sexista e degradante para as mulheres do que as imagens de mulheres na maior parte da literatura e meios de comunicação visual, das novelas e filmes para TV e nos anúncios em revistas. Em uma sociedade machista, a maioria das imagens de mulheres contém, pelo menos, algumas das atitudes sexistas comuns a homens e mulheres. Além disso, em parte da pornografia há personagens mulheres que são muito independentes, auto-motivadas e preocupadas com seu próprio prazer, especialmente em S/M (Sado/Masoquismo) pornô em que as mulheres estão frequentemente no topo. O que incomoda essas pessoas não é a imagem da mulher na pornografia, que é como em outros lugares na sociedade, mas a sua explicitação sexual; as pessoas se sentem desconfortáveis com o sexo.

Ativistas antipornográficos também afirmam que a pornografia, com a sua vista supostamente degradantes de mulheres é responsável pelas atitudes e ações dos homens em relação às mulheres e, portanto, difere de outras formas de expressão. Mas, como acontece com outros tipos de escrita e imagens, pornografia em geral, mostra o que as pessoas que querem ver de forma confortável; não plantam ideias estrangeiras na mente das pessoas. E, mesmo nos poucos casos em que novas ideias são introduzidas para as pessoas em pornô, eles permanecem apenas isso, ideias. Os homens não estupram, ou batem nas mulheres porque passou em um filme. Sexismo, estupro e espancamento de mulheres por suas pessoas parceiras existiam muito antes da ampla divulgação de pornografia moderna, e as sociedades com pouca ou nenhuma pornografia não são menos machistas e violentas do que aquelas onde o pornô é comum.

Há alegação de que os homens são violentos com a pornografia, além de ser imprecisa, também é baseada em um mito; que a maioria da pornografia é violenta. A maioria pornô é composto por representações não-violentas, consensuais, sexo mutuamente prazeroso. Algumas delas também contém sexo S/M, que ao mesmo tempo inclui as aparelhos violentos, e que envolve (uma aparente) dor, também é consensual e mutuamente prazeroso. Há certamente alguns pornôs que retrata o estupro ou outra forma de coerção, sexo violento, mas é uma pequena parte da pornografia produzida e consumida. Além disso, como filmes e livros violentos não-pornográficos, é simplesmente uma representação de uma fantasia, feita pela pessoa autora, ou realizada por consentimento das pessoas atoras. Pornografia violenta não é mais real do que são os filmes terror.

E se as pessoas anti-pornografia estão verdadeiramente preocupadas com a violência e não com o sexo na pornografia, por que é que elas protestam apenas nas lojas de pornografia, na destruição de revistas e lojas de vídeo pornô, ignorando vídeos de terror, os livros e revistas de terror?

Um aspecto de todo o fenômeno da pornografia que muitas vezes é deixado de fora da discussão é o da pornografia homossexual. Grande parte da pornografia produzida hoje mostra os homens que fazem sexo outros homens, e com uma proporção crescente de sexo de mulher com mulher. As pessoas antiporno tendem a ignorar pornohomoafetivo porque desmente muitos dos seus argumentos. Se as representações de encontros sexuais desiguais entre homens e mulheres são degradantes para as mulheres, por que não são igualmente encontros desiguais entre homens e outros homens (que são muito comuns em todo pornô “macho”, com seus ativos/passivos) degradantes para os homens? E se eles estão degradando aos homens, por que não é tão ofensivo o pornô para os homens, especialmente os homens passivos? E, se há imagens S/M e (fingir) a violência nestes pornôs, por que isso não se traduz em violência generalizada contra os homens, estupros de homens?

A discussão de tais questões nunca acontece, já que a maioria das pessoas que se opõem pornô hétero não estão dispostas a falar, muito menos criticar, pornô queer porque não querem correr o risco de ser vistas como “homofóbicas” ou de outra forma politicamente incorreta. Isto é devido ao fato de que a pornografia tem sido muitas vezes vista, com razão, como libertador pelos homoafetivos (e, recentemente, também por algumas mulheres homoafetivas), e é uma parte muito mais aberta de vida normal para os homoafetivos do que é na sociedade correta. Devido a isso “politização” do pornô queer, qualquer discussão sobre pornohomoafetivo pelas pessoas antipornos, algumas das quais são homens homoafetivos, é susceptível de ser criticada por pessoas adeptas do amor livre como “anti-gay”, e, assim, efetivamente suprimida. Isso é lamentável, uma vez que tal discussão iria mostrar as falácias nos argumentos anti-pornografia.

Mesmo que pareça estranho que pessoas adeptas do amor livre e anarquistas considerar ofensivo o pornô, é certamente verdade que as pessoas têm gostos diferentes. Só porque eu gosto de pornografia não significa que você deva. Mas, se alguém encontra algo ofensivo, elas devem simplesmente evitá-lo, e, assim, evitar a ofensa. No entanto as pessoas anti-porno não se contentam com esta estratégia quando se trata de pornografia. Elas sentem que, se o pornô os ofende, deve ofender as outras pessoas, principalmente as mulheres, e assumem a responsabilidade de proteger as outras dessa ameaça. Além disso, uma vez que elas sentem que a forma não-violenta, mulheres relacionadas com homens, toma o rumo do caminho da violência e sexismo, elas sentem que precisam impedir as pessoas de verem o pornô também.

Como afirmado acima, as pessoas antipornos diferem na estratégia que empregam para atingir estes fins. Enquanto aquelas que dependem de discussão e do protesto para influenciar as pessoas em evitarem a pornografia são mais preferíveis do que pessoas censoras, já que suas ideias sobre as pessoas é problemática para aquelas com uma perspectiva anarquista. As pessoas são agentes livres que fazem escolhas e tomam decisões com base no que observa, ouve, e outras experiências, e são responsáveis pelo resultado dessas escolhas. A maneira libertária de lidar com outras agentes livres que optam por ver ou ler os materiais dos quais uma desaprova é deixá-las verem esses livros ou filmes e, em seguida, discutir o material com elas e tentar convencê-las de seu ponto de vista.
Mais desagradável para os anarquistas, no entanto, são a pessoas ativistas anti-pornografia, que são francamente censoras; ao compartilhar os pontos de vista anti-pornos que procuram proteger as outras do pornô, essas pessoas adiantam o passo e usam a força coercitiva para atingir seus objetivos. Isso é totalmente incompatível com o tipo de sociedade voluntária procurado pela maioria das pessoas anarquistas, e deve ser denunciado por todas as pessoas amantes da liberdade.

Pornografia, como qualquer outra forma de entretenimento pode ser bom ou ruim, com base nos méritos individuais de qualquer obra particular. No entanto, como um gênero de literatura ou cinema, não é melhor ou pior, ou bem ou mal do que qualquer outro. Se a pornografia é ruim ou sexista, a melhor estratégia é criticá-lo e discuti-lo com as outras pessoas, e / ou fazer um bom pornô de amor livre não-sexista, e não suprimi-lo. Sexo e sua representação são uma fonte de prazer para muitas pessoas e a liberdade para viver em ambos deve ser defendida, ou pelo menos tolerada, por pessoas anarquistas. Pessoas censoras, incluindo aquelas que se dizem anarquistas, são pessoas inimigas da liberdade e as pessoas anarquistas que as apoiam colocam em dúvida seu compromisso com uma sociedade livre.

Uma Defesa Anarquista da Pornografia
Tags:                 

Deixe uma resposta