Um princípio importante do anarquismo e que o diferencia de qualquer outro tipo de socialismo é a ênfase na liberdade e nas relações sociais não hierárquicas. A rejeição de qualquer hierarquia de poder entre todas as pessoas é vital no anarquismo. As pessoas anarquistas acreditam que a liberdade de uma é baseada na liberdade de todas; portanto, não pode haver sociedade anarquista sem a extinção de todas as estruturas de dominação e exploração, incluindo a opressão “natural” sobre as mulheres. Como anarquistas, acreditamos que os meios determinam o fim.

Isso significa que não esperamos que uma revolução futura resolva os problemas do sexismo, mas vemos que é importante lutar contra ele aqui e agora. Como pessoas anarquistas, nós nos esforçamos para garantir que nossas próprias organizações e as campanhas nas quais estamos envolvidas estejam livres de sexismo e hierarquias de poder e que todas as pessoas envolvidas tenham igual poder de decisão e ação.

Reconhecemos que a participação total de todas as pessoas no movimento anarquista e as lutas sociais de hoje é muito importante. Para formar a sociedade do futuro, nossas companheiras se envolvem em sua criação e, é claro, sem a participação de metade da população, não haverá revolução social. Como acreditamos que a emancipação das pessoas trabalhadoras é tarefa das próprias trabalhadoras, também vemos que, essencialmente, o desenvolvimento, a liberdade e a independência das mulheres devem vir de si mesmas.

Algo importante é o fortalecimento da luta emancipatória através de ações políticas. Ainda hoje, muitas mulheres na sociedade não acreditam que possam ter um papel fundamental na mudança das coisas. No entanto, nos envolvendo, participando – agitando, educando e organizando – começaremos a ter controle de nossas próprias vidas no processo ativo de lutar para mudar a sociedade injusta em que vivemos.

Isso ocorre porque as mulheres, devido ao seu papel reprodutivo, sempre serão mais vulneráveis ​​que os homens na sociedade capitalista, que se baseia na necessidade de aumentar os lucros. Os direitos do aborto, licença maternidade remunerada, creche e creche etc., em resumo, tudo o que seria necessário para garantir a igualdade econômica das mulheres no capitalismo será sempre especialmente relevante para as mulheres.

Portanto, em geral, as mulheres são vistas como menos econômicas do que os homens para empregá-las e mais suscetíveis a ataques a lucros, como as instalações do berçário, etc.

Da mesma forma, as mulheres não podem ser livres até que tenham total controle sobre seus próprios corpos. Mesmo sob o capitalismo, os direitos ao aborto nunca são garantidos. Mesmo que haja ganhos nessa área, eles podem ser atacados, como é o caso dos direitos ao aborto nos EUA. A opressão das mulheres nos modelos autoritários como o capitalismo há, portanto, uma base econômica e sexual. Destas raízes, causas da opressão feminina, surgem outras formas de opressão, como, por exemplo, a opressão ideológica da mulher, a violência contra a mulher etc. Isso não quer dizer que ideias sexistas simplesmente desaparecerão com o fim do capitalismo, mas somente com o fim do capitalismo poderemos livrar a sociedade de um preconceito institucional que continua a se propagar e promover o sexismo.

Como uma sociedade anarquista não será movida pelo lucro, então, por exemplo, não haverá penalidade financeira por ter filhos ou por querer passar mais tempo com eles. O cuidado de crianças, as tarefas domésticas, etc., podem ser vistas como responsabilidade de toda a sociedade e, assim, dar a todas as pessoas mais opções em geral.

A anarquia une para luta contra a exploração e a opressão de todas as pessoas. A liberdade de fato para todas as pessoas, só pode vir em uma sociedade diferenças sociais, onde os locais de trabalho são autogerenciados, a propriedade privada é abolida e as pessoas são quem tomam as decisões porque são afetadas por elas.

Claramente, a luta pela liberdade de todas as pessoas exige uma luta de emancipação de todas as trabalhadoras. E vice-versa, a guerra entre grupos sociais dominantes e dominados só pode dar frutos se, ao mesmo tempo, houver lutas em todas os aspectos da sociedade, onde exista exploração e opressão.

DIRDRE HOGAN – [# 38, junho-julho de 2004]

Mulheres e a anarquia
Tags:             

Deixe uma resposta