CONCHA LIAÑO – [# 14, maio-junho de 1999]
[Para aqueles de nós que preparam o EL LIBERTARIO, é uma grande satisfação publicar este trabalho sobre a pouca experiência divulgada do feminismo anarquista na Revolução Espanhola de 1936, escrita com
paixão e realismo por um participante desses fatos. Ainda mais agradável foi poder entrar em contato pessoal com Concha, que mora na Venezuela, cuja presença calorosa e caloroso testemunho, queremos dedicar esta edição do nosso jornal. A versão original do texto apareceu no EL NOI, boletim da Fundação Salvador Seguí de Valência (Espanha), nº 4, 1996, reproduzido aqui com correções ortográficas e de estilo aprovadas pelo autor]

Para aqueles que no momento do início do movimento de libertação das mulheres eram jovens cheias de misticismo e dedicação ao serviço, é uma causa de imensa satisfação e alegria ver que essas novas gerações, em relação à emancipação das mulheres, tomem como referência a luta de 1934 a 1939 foi empreendida por pequenos grupos de mulheres e moças que conseguiram unificar seus esforços isolados, originando o Grupo Mujeres Libres na Espanha.

Embora neste momento ainda haja muito o que dizer que todos os postulados da Mujeres Libres foram alcançados, a geração atual não pode ter uma idéia do que era naquele momento.

Situação feminina na sociedade espanhola. Porque, mal a bem, algumas mulheres hoje em dia alcançam possibilidades que eram então utopias ilusórias. Quando as hordas de Franco nos vencem e nos jogaram no exílio na França, pudemos ver que, apesar das leis napoleônicas, a mulheres francesas, naquele país, gozavam de mais respeito e consideração do que a as mulheres espanholas.

Hoje, chama a atenção e estuda o surto, a conscientização das mulheres espanholas, cujo gatilho era o Grupo das Mujeres Libres, colocando sobre a mesa seus objetivos e todas as realizações em nível nacional, que eram muitos e muito louváveis. Mas, para mim, uma mulher de vinte anos no início da Guerra Civil, é importante começar referindo-se ao espírito excepcionalmente favorável, o clima psicológico que reinou entre nós, os iniciados, dos quais todas as vontades que se juntaram a nós imediatamente participaram.

Éramos principalmente mulheres da cidade, trabalhadoras. Nosso nível intelectual, com exceção de quatro ou cinco lutadores, não era muito alto, em termos de preparação acadêmica, mas com respeito por nós mesmos e bom senso, inteligência inata, julgamento justo, que a imortalidade é perdoada … por sermos insuperáveis. E no desejo de ajudar nossos
parceiros sexuais também. Nosso esforço visava fazê-los entender que deveriam se esforçar para sair dessa situação opressiva de submissão ultrajante, sem confrontos.

Fazendo uso da razão. E acho que, nessa nossa atitude, natural e espontânea, sem se gabar de superioridade, reside uma das razões de nossa incrível captura de vontades. Eles foram infectados do nosso misticismo sem nos sentirmos superiores a eles. Eles imediatamente entenderam que entre nós não havia “lideranças” ou pretensões de impor critérios a ninguém. Solidariedade fraterna e humana era o tônico em nosso ambiente e em nossos relacionamentos.

Vou contar uma anedota ilustrativa desse espírito igualitário, cuja única aspiração era que a mulher acordasse e tremesse: uma companheira muito jovem estava encarregada de organizar a região catalã. Ela mais do que alcançou essa meta em alguns meses. Chegou a hora de nomear um Comitê Regional em forma. Nomeado este, as companheiras que a integraram imploraram a ela ficar mais algum tempo com elas para guiá-las e ajudá-las. Isso foi feito. Até o momento em que as pessoas do Comitê Regional se sentiram capazes de continuar sem o conselho de ninguém e, assim, avisaram a companheira que as ajudou. E ela deixou essa posição, convencida de que novas vontades continuaram o trabalho. E este é um exemplo do tônico que reinou entre as militantes. Penso que é muito possível que essa atmosfera de solidariedade, sincera e humilde, tenha contribuído para essa eclosão sem precedentes em qualquer movimento de libertação feminina iniciado até hoje.

Quando as Mujeres Libres conseguiram unir os esforços dispersos dos grupos isolados de mulheres que lutavam pelo mesmo ideal na Espanha e constituíram uma organização estatal, procuraram sua localização no Movimento Libertário, pois seus iniciadores apoiavam o anarquismo.
Tínhamos a aspiração de ser o “ramo feminino” desse Movimento, reconhecido da mesma maneira que a juventude na Juventude Libertária.

É muito doloroso reconhecê-lo e ainda mais para expressá-lo, mas aos nossos anarquistas “libertados” que lutaram pela libertação do proletariado, eles perderam em suas análises que a mulher espanhola, como trabalhadora, sofria como eles são o jugo do capitalismo e, pior ainda: pelo mesmo trabalho, ele recebeu um salário mais baixo. E quanto a ser humano na sociedade, sua situação não poderia ser mais humilhante e ofensiva: um adulto sendo menor de idade. Mas isso foi pouco ou nada, como na longa lista de abusos cometidos contra as mulheres desde a remota noite dos tempos, como os dos conselhos em que a Igreja culpava a mulher por introduzir pecado no mundo ou Ele argumentou se ele tinha uma alma humana.

Bem, nossos parceiros não queriam nos reconhecer como um ramo feminino do Movimento Libertário. E essa atitude nos deu muita admiração e sentimento. Nós, mulheres livres, apresentamos ao nosso movimento uma organização em uma bandeja de prata e fomos rejeitadas.

Enquanto isso, as pessoas comunistas haviam criado a enteléquia da organização chamada “Mulheres Antifascistas” (?). Porque todos os partidos criariam uma seção de mulheres para ter uma força gerenciável e manipulada para seus fins partidários. Mas, em honra à verdade, pela força de muitos pedidos (e algumas humilhações lavadas por Soledad Estorach) a realidade é que o movimento libertário nos ajudou muito economicamente. Pouco importa que tenha sido com aquela atitude paterna de quem sofre caprichos de uma adolescente. A nosso pedido, recebemos as propriedades em que os comitês regionais e locais funcionavam. E onde estabelecemos ‘A Casa da Trabalhadora’. E eles também nos deram as somas de dinheiro para pagar aos professores, uma vez que as aulas ministradas eram gratuitas.

Soledad Estorach sempre cuidou dessa tarefa de pedigree. Tarefa ingrata, porque à medida que nossas associadas aumentavam, ela implorava para “dar-lhe um pouco mais”. Eles também nos ajudaram a pagar os salários das secretárias e de alguma outra garota dedicada em tempo integral às Mulheres Livres. Muito poucas. Eles eram salários muito baixos, o mínimo vital, mas estávamos gratos pelo que valia a pena.

De qualquer forma, com suas dificuldades e desafios, as Mujeres Libres continuaram sua luta em todas as frentes impostas pela dramática situação da Guerra Civil e contra a moral que reinava em relação às mulheres, tão despóticas em solo espanhol pela herança que deixaram oito séculos de ocupação árabe. Mentalidade que se refletiu em uma piada de mau gosto contada durante a guerra: “Os árabes mudaram seus costumes em relação às mulheres. Antes que eles estavam sentado em seu burro e a mulher estava atrás. Agora ela segue na frente … através das minas explosivas. “

Para nós, as fundadoras da Mujeres Libres, era imperativo que as mulheres entendessem que não era impossível livrar-se desse condicionamento atávico e deveriam começar a modificar os esquemas de si mesmas e em sua própria casa, começando com sua prole filial, não concedendo privilégios masculinos sobre as fêmeas.

Como testemunha da linha de frente, e como outras conquistas e atividades as narravam, eu queria contar como todas, absolutamente todas as militantes da Mujeres Libres haviam feito da solidariedade à mulher da Espanha um valor essencial. Tudo girava em torno dessa solidariedade.

Porque digo de novo, não havia lideranças entre nossas companheiras. Todas conheciam suas limitações, e as mais inteligentes ou esclarecidas não se aproveitavam dessa qualidade. Ela poderia ter nos comparado a uma colmeia: cada uma estava em seu lugar, realizando sua tarefa. Também não tínhamos figuras proeminentes na vida social ou intelectual. Haviam companheiras que se destacavam: Lucía Sánchez Saornil, Mercedes Comaposada Guillén e Amparo Poch y Gascón. Mulheres de inteligência clara, de altos quilates morais e, sim, com preparação acadêmica, que na sombra e quase no anonimato ensinavam, impelidas com toda humildade e solidariedade a suas companheiras, as companheiras que se juntavam a nós em a consecução de nossos objetivos.

Hoje, temos apenas vinte anos dessa ação. Todos as mencionadas desapareceram.

Somos ainda suficientes para lhes dever muito. E a autora dessas linhas, mais do que qualquer outra. A partir daqui, quero reiterar que nunca as esqueci e que as carreguei em meu coração por tantos anos de ausência física.

Você vê Mercedes, nós não desaparecemos! … Aquela pequena semente que com tanta fé, ardor e esforço semeamos, lutando contra o relógio, porque tivemos o tempo curto e contado, GERMINADA! …

[Para mais informações sobre esse tópico, consulte, na seção de texto do site de El Libertario <www.nodo50.org/ellibertario>, Mulheres Livres da Espanha 1936-1939: quando as rosas de fogo floresceram, por Nelson Méndez.]

Sobre “Mujeres Libres”
Tags:                         

Deixe uma resposta