A essencia da anarquia é ação direta, coletiva ou individual.
Para ação sempre há que se ter convicção plena sobre a anarquia e seu papel revolucionário, de transformação de todas as relações em que há pessoas envolvidas.

O mantra repetito muitas vezes em nossos materiais é que a anarquia não oprime, não é oprimida; não explora e nem é explorada. E com isso, temos uma amplitude de caminhos e ações.

Há uma metodologia orientadora para que as práticas anarquistas sejam vividas da forma mais ampla e que proporcione o tesão necessário para uma vida mais plena, para satisfação de todas as nossas necessidades e até de nossas maiores paixões.

Ação, ação e mais ação… anarquia é intensidade, é energia, é vida, plena e amplificada com a participação constante de todas.
Organizar para ação e ação é organizativa e quanto mais pessoas se envolvem, mais potente é a ação.

Mas se pode fazer anarquia individualmente e principalmente quando tudo em volta é apatia, covardia, tristeza e medos… um ambiente tóxico e imobilizante tente a reduzir todas as potências das pessoas em rebanho indo para o abatedouro. Quando nesse ambiente bizarro e doente, uma pessoa anarquista não pode se ajoelhar ou cair em posição fetal em busca de proteções familiares. A anarquia é tacar o inusitado (uma insanidade rompedora de muros e cadeias) nessas condições.

Não há Estado, não partido, não há religião onde a anarquia prospera, porque a anarquia é ressonância amplificada das energias primordiais, é conexão com infinito. Quando a angustia lhe pesar o peito e ao redor sobre as moscas, parasitas e a imobilidade latente das pessoas derrotadas, de uma cinza apática surge a fênix, a anarquia é luta, é resistência, é o levantar o tom, é indomável, é o grito de todas as pessoas oprimidas e exploradas. É remédio para o tédio, é remédio para depressão, é remédio para ansiedade. Anarquia é o fim dos tempos de opressão e exploração e de quem defende a manutenção da morte.

Anarquia é o eco que vibra nossas cordas subatômicas, a ponto de uma explosão nuclear onde se libera muita liberdade e justiça.
Somos dignas e livres na luta!

Questões práticas para ações anarquistas
Tags:             

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *